Previdência: governo propõe transição mais moderada para militares



O projeto de lei que altera as regras de aposentadoria dos militares estabelece o aumento do tempo mínimo de serviço de 30 para 35 anos apenas para quem vai ingressar nas Forças Armadas. A medida vale também para corporações nos estados, como Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, segundo a Folha de S.Paulo.

A proposta também prevê o pagamento de um “pedágio” para entrar na reserva para integrantes das Forças Armadas, da PM e do Corpo de Bombeiros. Essa medida, no entanto, seria limitada a cinco anos de aumento do tempo de contribuição, conforme o veículo mostrou.

Com as regras atuais, quem contribui por 25 anos deve trabalhar mais cinco para se aposentar. Se o pedágio for aprovado, o militar deverá atuar até 20% a mais desse tempo antes de entrar na reserva, ou seja, pelo período de um ano.

A versão final do projeto ainda não foi apresentada para aval do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Essa medida prevista na reforma da Previdência para os militares é mais flexível do que a proposta para os trabalhadores do setor privado, que teriam um pedágio de 50%, e tem validade apenas para quem tem mais dois anos a cumprir antes de se aposentar.

O governo também quer aumentar a alíquota sobre a remuneração dos militares, de acordo com a Folha. Assim, a contribuição pode subir dos 7,5% atuais para 10,5% de forma escalonada. A equipe comandada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, quer enviar a proposta ao Congresso Nacional até o dia 20 de março.
Fonte: Metrópoles, em 14/03/2019
Compartilhe

Todas as notícias e artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo a opinião do Portal do Servidor Federal.

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Clique aqui e faça cursos de capacitação 100% online com certificado, a partir de R$ 20,00.

Baixe gratuitamente nosso aplicativo, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.
Notícia anterior
Próxima notícia