Onde estão os maiores salários no serviço público brasileiro?



Entre os servidores públicos, quem ganha mais: o Judiciário, o Legislativo ou o Executivo? E será que muda algo se passarmos de um nível federativo para outro?

Para ajudar a responder a essas perguntas com facilidade e sem confusão, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançou nesta semana uma plataforma inédita que reúne dados de duas décadas sobre o serviço público brasileiro.

O Atlas do Estado Brasileiro junta as informações do Tesouro Nacional, IBGE, Ministério do Trabalho e Ministério do Planejamento de 1995 a 2016.

Nesse período, o total de servidores ativos, civis e militares, aumentou de aproximadamente 7,5 milhões para 12 milhões. No setor privado, o aumento foi de 27,1 milhões para 55,12 milhões.

Segundo o estudo, em 2017, o país gastou R$ 725 bilhões com os servidores ativos, o que corresponde a 10,7% do PIB (Produto Interno Bruto).

Com os dados, é possível analisar o tamanho de cada esfera do Estado nessa conta e compará-las entre si.

Entre os três poderes, considerando apenas a última década, o judiciário tem as maiores remunerações. E os salários federais também são os maiores. Assim, com uma média de 16 mil reais mensais, o Judiciário federal possui o maior salário do funcionalismo.

Apenas na esfera federal, isso representa o dobro do que ganha, em média, um funcionário estadual do mesmo poder. Já no Legislativo federal, os salários no período foram equivalentes a 90% da remuneração do Judiciário, em torno de R$ 14,3 mil.

Os menores salários médios, avaliando todos os poderes e níveis de administração, estão no Executivo municipal. Em dez anos, essa média subiu de 2 mil para 3 mil reais. No Legislativo municipal, o valor foi de R$ 3,6 mil para R$ 4,5 mil, no mesmo período.

Remuneração média dos servidores do poder Executivo (em 2016):

Federais: R$ 8,1 mil
Estaduais: R$ 5 mil
Municipais: R$ 3 mil

Não é coincidência que os três concursos públicos mais procurados são para órgãos federais. Segundo levantamento do Gran Cursos Online, mais de 2 milhões de candidatos procuraram a prova para trabalhar no Ministério Público da União (MPU).

Na sequência, aparece o concurso da Polícia Federal, com 1,2 milhões de interessados, e da Polícia Rodoviária Federal, que atraiu 1,16 milhões.

Um fator que não muda entre as esferas é a desigualdade de salários entre homens e mulheres. Mesmo representando a maioria dos funcionários, com 66% do total em 2016, as mulheres ganham menos nos três níveis de governo e nos três poderes. A única variável é o tamanho da diferença salarial.

Segundo o estudo, a diferença é causada pela maioria feminina em carreiras e ocupações com menor remuneração. Também foi observado um maior número de homens em cargos de alto escalão, com uma ampliação recente na proporção de mulheres.

No Executivo civil federal, por exemplo, homens ganham 14% a mais que as mulheres, na média de 2007 a 2016.
Fonte: Revista Exame, em 21/12/2018
Compartilhe

Todas as notícias e artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo a opinião do Portal do Servidor Federal.

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Clique aqui e faça cursos de capacitação 100% online com certificado, a partir de R$ 20,00.

Baixe gratuitamente nosso aplicativo, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.
Notícia anterior
Próxima notícia