AGU se opõe a servidores de agências reguladoras dirigirem empresas



A Advocacia-Geral da União (AGU) é contra a possibilidade de servidores de agências reguladoras poderem administrar empresas privadas ou exercerem atividades de direção político-partidária, conforme estabelecido pela Lei nº 10.871/04.

A manifestação da AGU foi solicitada pelo ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é relator na Corte de uma ação direta de inconstitucionalidade movida pela União Nacional dos Servidores de Carreira das Agências Reguladoras Federais (Unareg), contra a proibição prevista na lei

De acordo com o posicionamento da AGU, a lei resguarda o interesse público e a moralidade administrativa, evitando conflitos de interesse.

Em mensagem ao STF, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, afirma que “a vedação ao exercício regular de outra atividade profissional, no caso em exame, dignifica o princípio da moralidade administrativa, evitando que servidores das agências reguladoras se coloquem em situação de assessoramento a particulares, em conflito com os interesses da instituição para a qual prestam serviço público”.

A ação teve início na segunda quinzena de outubro e não tem prazo para conclusão no Supremo. Conforme acompanhamento eletrônico do STF, a Procuradoria-Geral da União pediu vista do processo nesta segunda-feira (19).
Fonte: Agência Brasil, em 19/11/2018
Compartilhe

Todas as notícias e artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo a opinião do Portal do Servidor Federal.


Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Clique aqui e faça cursos de capacitação 100% online com certificado, a partir de R$ 20,00.

Baixe gratuitamente nosso aplicativo, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.
Notícia anterior
Próxima notícia