Servidores defendem grandes mobilizações dias 8 e 15 de março contra PEC 287


Fazer dos dias 8 e 15 de março datas de grandes manifestações no país pela rejeição integral da "reforma" da Previdência, que tramita na Câmara dos Deputados. É o que defenderam e aprovaram os servidores que participaram da reunião ampliada da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do MPU (Fenajufe), transcorrida no domingo (19), em Brasília.

A proposta é que se participe das manifestações de 8 de março, Dia Internacional das Mulheres, que terá como foco no Brasil a defesa de direitos e a rejeição às ‘reformas’, e se convoque uma paralisação de 24 horas para o dia 15, data em que outros setores da classe trabalhadora, como os servidores da educação, já decidiram parar.


Greve geral

Aos gritos em coro de "Fora Temer", os participantes da reunião ampliada aprovaram por unanimidade um calendário de mobilização que prevê trabalhar para a construção de uma greve geral que paralise o país e expresse a insatisfação popular com as 'reformas' previdenciária e trabalhista, que o presidente Michel Temer tenta aprovar a passos largos no Congresso Nacional.

Os dois primeiros dias de protestos em março devem ser encaminhados pelos sindicatos nos estados. Assim como a realização de debates e outras atividades que convoquem a categoria a se engajar na campanha contra uma reforma que, no seminário realizado na véspera, foi classificada como o desmonte da Previdência Social e o fim do direito à aposentadoria para a maioria dos trabalhadores.

Como parte da campanha – que deve ser desenvolvida em conjunto com o Fórum dos Federais (Fonasefe) e buscar aglutinar uma ampla participação de entidades civis e centrais sindicais – os servidores apontaram ainda a participação nas caravanas a Brasília, que estão sendo convocadas para os dias 28 de março e 6 de abril. São nessas duas datas que o governo pretende votar no Plenário da Câmara dos Deputados o relatório da PEC 287, respectivamente em primeiro e segundo turnos.

As atividades, no entanto, podem ter as datas redefinidas em função de alterações no cronograma de votações da Câmara. Essa previsão acelerada de votações é o ritmo que o Planalto tenta imprimir à tramitação da proposta de emenda constitucional, mas não é a toada que o movimento contra a ‘reforma’ deseja, já que demonstraria um maior controle do governo sobre a sua base parlamentar.


Campanha unificada

A segunda reunião ampliada do ano foi convocada para 8 de abril, com o objetivo de "casar" o fórum de deliberações nacionais da categoria com o segundo protesto em Brasília. Mas, também nesse caso, foi dado à direção da Fenajufe a prerrogativa de readequar o dia em função da tramitação da PEC na Câmara dos Deputados.

Como parte da articulação de movimento de luta no qual os trabalhadores dos serviços públicos federais atuem de forma coesa, será lançado, no dia 22 de fevereiro, na capital federal, a Campanha Salarial Unificada de 2017, quando a pauta geral de reivindicações será protocolada em todos os Poderes da República. O eixo central da campanha é derrotar as "reformas" da Previdência e das leis trabalhistas.


Calendário de mobilização aprovado

22 de fevereiro: Lançamento da campanha salarial unificada do funcionalismo federal, com a pauta sendo protocolada nos Três Poderes, em Brasília.

8 de março – Participação nos atos e atividades do Dia Internacional de Luta das Mulheres, na perspectiva de construção da greve geral.

15 de março: Dia nacional de paralisação e mobilização contra a "reforma" da Previdência em todos os estados - rumo à greve geral.

8 de março: Caravanas a Brasília, por conta da possível votação da PEC 287 em primeiro turno – a data pode ser alterada pela direção da Fenajufe por conta de mudanças no calendário de votações na Câmara.

6 de abril: Caravana a Brasília, quando o governo pretende votar a proposta em segundo turno - a data também pode ser alterada, a depender das votações na Câmara.

8 de abril: Reunião ampliada da Fenajufe.

- Seminário sobre as "reformas" da Previdência e Trabalhista - direito das mulheres e ataque ao direito de greve - com data a ser definida pela direção da Fenajufe.

Fonte: Luta Fenajufe, em 20/02/2017
Compartilhe

Todas as notícias e artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo a opinião do Portal do Servidor Federal.


Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Clique aqui e faça cursos de capacitação 100% online com certificado, a partir de R$ 20,00.

Baixe gratuitamente nosso aplicativo, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.
Notícia anterior
Próxima notícia