Notícias Artigos Apostilas para concursos Cursos de capacitação Advogado online Forum Permutas Contato

07 setembro 2017

A descoberta das omissões dos executivos da J&F no acordo de delação premiada à Procuradoria-Geral da República (PGR) parece ter dado fôlego para que o governo consiga emplacar a reforma da Previdência. As mudanças nas regras de aposentadorias e pensões serão a prioridade na Câmara assim que os deputados chegarem a um consenso sobre a reforma política. “Vamos votar este ano, sim, senhor”, garantiu ontem o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

A reforma está parada na Câmara desde maio, à espera de um momento apropriado para ser colocada em pauta no plenário. Para isso, o governo precisa contar com 308 votos favoráveis. Segundo Padilha, “agora é hora de voltar ao debate”, para esclarecer os pontos para melhorar a aceitação do texto entre os deputados. Também ontem, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), defendeu a necessidade da reforma para o equilíbrio das contas públicas. “O governo não faz uma reforma para ele. Faz para os aposentados, para acabar com privilégios de servidores públicos, para dar previsibilidade à economia”, argumentou.


Outro acontecimento que deu um gás ao governo foi o fato de a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), uma das principais entidades contrárias à reforma, ter assumido ontem, em evento do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do TCU (Sindilegis), que há, de fato, um rombo na Seguridade Social. Pelas contas da entidade, os gastos com aposentadorias, pensões, assistência social e saúde superaram em R$ 57 bilhões a arrecadação em 2016.

Apesar de o deficit reconhecido pelos auditores ser bem menor que o anunciado pelo governo, de R$ 258,7 bilhões em 2016, o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, considera que, se os números forem confirmados pela Anfip, o que deve acontecer até o fim do mês, “será uma razão a mais para pautar a reforma de acordo com o relatório da comissão especial”.

Fonte: Correio Braziliense, em 07/09/2017
Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Nosso aplicativo

Nosso aplicativo
Use um leitor de QR Code para instalar no seu celular

Siga o Portal nas redes sociais

Cursos de capacitação online