Não há espaço para avançar com a reforma da Previdência, diz relator

O relator da proposta de reforma da Previdência Social, Arthur Maia (PPS-BA), divulgou uma nota nesta quinta-feira (18), sobre as denúncias envolvendo o presidente Michel Temer, na qual afirmou não há espaço para avançar com o projeto no Congresso.

Uma das principais prioridades do governo para este ano, a reforma da Previdência apresenta novas regras para a aposentadoria, entre as quais idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres poderem direito ao benefício.


O parecer de Arthur Maia sobre a proposta foi aprovado na semana passada pela comissão especial que discutiu o tema e já está pronto para ser votado no plenário da Câmara.

"De ontem [quarta, 17] para cá, a partir das denúncias que surgiram contra o presidente da República, passamos a viver um cenário crítico, de incertezas e forte ameaça da perda das conquistas alcançadas com tanto esforço", diz trecho da nota.

"Certamente, não há espaço para avançarmos com a reforma da Previdência no Congresso Nacional nessas circunstâncias. É hora de arrumar a casa, esclarecer fatos obscuros, responder com verdade a todas as dúvidas do povo brasileiro, punindo quem quer que seja, mostrando que vivemos em um país em que a lei vale para todos", acrescenta o deputado.


Entenda a polêmica

Nesta quarta-feira (17), o site do jornal "O Globo" informou que o empresário Joesley Batista entregou ao Ministério Público Federal a gravação de uma conversa entre ele e o presidente Michel Temer na qual os dois discutiram a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Ainda na quarta, o Palácio do Planalto divulgou uma nota à imprensa na qual confirmou que o presidente se encontrou com Joesley Batista em junho, mas negou que os dois tivessem conversado sobre evitar a delação de Cunha.

Após a publicação da reportagem, a reação no Congresso Nacional foi imediata. Parlamentares da oposição e também da base aliada passaram a cobrar a renúncia de Temer e a defender o impeachment.

Nesta quinta, contudo, o próprio presidente fez um pronunciamento, no qual disse que não renunciará à Presidência da República.

Em razão das delações da JBS, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, autorizou a abertura de um inquérito para investigar o presidente.


Íntegra

Leia aqui a íntegra da nota divulgada por Arthur Maia.

Fonte: Portal G1, em 18/05/2017

Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião do Portal do Servidor Federal.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Clique aqui e faça cursos de capacitação 100% online com certificado, a partir de R$ 20,00.

Baixe gratuitamente nosso aplicativo, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.

Outras notícias em destaque: