Mergulhado no caos da crise política, Brasil não pode admitir aprovação de reformas

A crise política no Brasil atingiu seu auge na tarde dessa quinta, 17, após divulgação de provas apresentadas pelo dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, de que o presidente ilegítimo Michel Temer deu aval para o pagamento de propina que garantiria o silêncio de Eduardo Cunha sobre envolvimento no golpe que culminou no impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff. O senador Aécio Neves, já afastado do cargo por ordem do ministro do STF Edson Fachin, também foi pego em grampo combinando o recebimento de propina da empresa

 Os acontecimentos lançam novamente o Brasil em um cenário de incertezas. De um lado a possibilidade de que eleições indiretas aconteçam e o Congresso, com parlamentares envolvidos até o pescoço em denúncias, escolha o próximo presidente do País. De outro a maioria da população que clama por eleições diretas e quer a retirada imediata de reformas como a Trabalhista e da Previdência.


Há ainda a possibilidade de que o governo ilegítimo se sustente já que foi instalado justamente para entregar a aprovação de reformas que retiram direitos da população. Num momento em que o caos da crise política atormenta todas as chances de reação para superar também a crise econômica, o Brasil não pode admitir que reformas que massacram direitos da classe trabalhadora sejam aprovadas. Representantes do governo ilegítimo e também parlamentares na Câmara e no Senado já admitem que não deve ser possível aprovar as reformas nos próximos meses após os últimos acontecimentos do cenário político.

Nunca a mobilização e unidade da classe trabalhadora foram tão necessárias. É nas ruas que as incertezas devem ser transformadas em um novo rumo para o caos em que o golpe mergulhou o Brasil. A sociedade deve erguer sua voz para cobrar a retirada dessas propostas e a aprovação de eleições diretas e imediatas garantindo a retomada do processo democrático no país. Movimentos sociais convocaram atos em todo o Brasil nessa quinta. Em Brasília, a concentração acontece às 17 horas na rodoviária do Plano Piloto e às 19 horas em frente ao Palácio do Planalto. A Condsef/Fenadsef e suas filiadas, com representantes de todo o Brasil reunidos em Brasília para um seminário de planejamento, devem integrar a atividade.

Confira aqui a agenda de atos já confirmados pelo Brasil e participe desse momento que pode ser decisivo para os rumos político e econômico do país.

Fonte: Condsef, em 18/05/2017

Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião do Portal do Servidor Federal.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Clique aqui e faça cursos de capacitação 100% online com certificado, a partir de R$ 20,00.

Baixe gratuitamente nosso aplicativo, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.

Outras notícias em destaque: