Notícias Artigos Apostilas para concursos Cursos de capacitação Advogado online Forum Permutas Contato

08 março 2017

No dia 8 de março comemora-se o Dia Internacional da Mulher, marcado pela luta por direitos iguais entre os gêneros. Além de ainda receberem salários menores do que os homens, as mulheres também são minoria no mercado de trabalho. No governo federal a situação não é diferente.

De acordo com o último boletim de pessoal da União, as mulheres representam 46,3% da força de trabalho dos Servidores Públicos Federais Civis Ativos do Poder Executivo. O percentual equivale a 269.894 mulheres do total de 582.728 servidores. Isso quer dizer que, no Executivo, trabalham 16% mais homens do que mulheres atualmente.


Há 10 anos, a situação era pior, mas não muito diferente. Em 2006, também de acordo com boletim de pessoal, as mulheres representavam 43,9% do total de 527.856 trabalhadores do Poder Executivo. Dessa forma, àquela época a força de trabalho masculina era 27,7% maior do que a feminina no governo federal.

Quando analisados os ministérios, a diferença também é bastante relevante. Nos 24 órgãos superiores detalhados no boletim de pessoal do governo federal, 19 possuem mais homens do que mulheres a serviço. Apenas os ministérios da Saúde, do Turismo, da Previdência Social, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e da Cultura possuem mais mulheres do que homens como servidores.

Em algumas Pastas a diferença é gritante. O Ministério da Justiça, por exemplo, possui 79,2% dos cargos para servidores ocupados por homens. O percentual representa 25.945 servidores do gênero masculino contra apenas 6.806 do gênero feminino. Os ministérios dos Transportes e da Agricultura também possuem mais de 70% do efetivo ocupado por homens.

Desde o início do governo, Michel Temer vem sendo criticado pela falta de mulheres para os cargos de confiança, como os de ministro. Desde a ditadura militar, quando a primeira ministra foi nomeada, no início da década de 1980, foi a primeira vez que um presidente não indicou uma mulher para os gabinetes.
 
 
Luta

Neste 8 de Março, um grupo de mulheres faz uma greve internacional em prol da igualdade de gênero e o fim da violência contra as mulheres em mais de 50 países. No Brasil, já há eventos confirmados em mais de 60 cidades, entre elas 21 capitais.

A ideia da manifestação nasceu a partir do contato entre manifestantes que fizeram protestos pela igualdade na Polônia e na Argentina (Marcha Ni Una Menos) no ano passado. Elas escolheram o dia 8 de março para a manifestação global pela importância da data de hoje, dia internacional da mulher, celebrado em todo o mundo como o dia para relembrar a histórica luta feminista.

Durante as manifestações da greve internacional das mulheres, paralisações estão marcadas em todas as regiões do Brasil. Para as mulheres que não podem parar a jornada de trabalho, os manifestantes pedem nas redes sociais que elas dediquem uma hora do dia, chamada de Hora M, a ser definida em cada cidade, para que conversem com as colegas de trabalho sobre as desigualdades que afetam todas as mulheres.

Além disso, as mulheres que aderirem à campanha hoje pretendem usar peças de roupa ou adereços da cor lilás, cor símbolo do movimento feminista, ou ainda colocar bandeiras dessa mesma cor na janela de imóveis ou nos carros.
 
 
Agressões

Pesquisa Datafolha encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e divulgada nesta quarta (8), Dia Internacional da Mulher, mostra que, no ano passado, 503 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora no país. Isso representa 4,4 milhões de brasileiras (9% do total das maiores de 16 anos). Se forem contabilizadas as agressões verbais, o índice de mulheres que se dizem vítimas de algum tipo de agressão em 2016 sobe para 29%.

A pesquisa mostra que 9% das entrevistadas relatam ter levado chutes, empurrões ou batidas; 10% dizem ter sofrido ameaças de apanhar. Além disso, 22% afirmam ter recebido insultos e xingamentos ou terem sido alvo de humilhações (12 milhões) e 10% (5 milhões) ter sofrido ameaça de violência física. Há ainda casos relatados mais graves, como ameaças com facas ou armas de fogo (4%), lesão por algum objetivo atirado (4%) e espancamento ou tentativa de estrangulamento (3%).

Para a diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, a violência é um "mecanismo de resolução de conflitos" no país. "Somos uma sociedade em que a violência muitas vezes regula as relações íntimas, que aposta na violência como um mecanismo de resolução de conflitos. Por isso números tão altos de mulheres que sofrem violência física, porque isso faz parte do cotidiano e desde muito cedo", afirma.

Fonte: Contas abertas, em 08/03/2017
Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Nosso aplicativo

Nosso aplicativo
Use um leitor de QR Code para instalar no seu celular

Siga o Portal nas redes sociais

Cursos de capacitação online