Notícias Artigos Apostilas para concursos Cursos de capacitação Advogado online Forum Permutas Contato

09 março 2017

Carlos Fernando da Silva Filho, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) foi enfático em dizer que a reforma é ilegítima, inconstitucional e excessivamente perversa com a maioria dos segurados. “O princípio que veda o retrocesso social está sendo atacado pela PEC 287 ao serem modificados as formas de acesso, o cálculo e o financiamento da Previdência.”

“A maldade com o povo é muito forte. Primeiro, a Emenda Constitucional 95 congela os gastos públicos nos próximos 20 anos e a reforma trabalhista se somará para atingir a população brasileira com a impossibilidade de trabalho decente. Juntas à reforma da Previdência, as medidas implodem o estado social no Brasil para atender os interesses do mercado privado de previdência”.


Carlos Fernando lembrou que acabaram com o Ministério da Previdência ao transferir parte considerável de sua competência para a pasta da Fazenda. “O enfoque da reforma da Previdência é fiscal, mas os trabalhadores não batem à porta do Ministério da Fazenda para reivindicar direitos”.
 
 
Ausência de fiscalização
 
O presidente do Sinait fez um “raio x” de como está a Administração Pública, notadamente a Receita Federal do Brasil, desmantelada, sem servidores em quantidade suficiente para o cumprimento da tarefa de fiscalizar.

“Apenas a massa de trabalhadores que contribui de 8 a 11% poderia injetar nas contas da Previdência, nos últimos cinco anos, aproximadamente R$ 91 bi, apenas de contribuição dos empregados. Mas esse montante deixou de ser arrecadado por falta de fiscalização da Previdência. Desde 2007, a fiscalização da Previdência deixou de existir”, denunciou Carlos Fernando.

Em termos práticos, os trabalhadores estão sendo penalizados e o problema será sentido no futuro quando derem entrada no pedido de aposentadoria. Foi efetuado o desconto no contracheque do empregado para a Previdência, mas o empregador não fez o repasse. Ou seja, o mal empregador se apropriou de um recurso que não é dele, está enriquecendo de maneira ilícita e o prejuízo será do trabalhador no momento da aposentadoria.
 
 
Seguro acidente de trabalho é fraudado no Brasil
 
Outro grave e sério problema na Previdência Social é relacionado à arrecadação do Fator Acidentário Previdenciário, que segundo o presidente do Sinait, “é fraudado e sua arrecadação é pela metade no Brasil. As empresas simplesmente informam que cumprem as normas de segurança do trabalho, não há fiscalização e cerca de R$ 5 bi não são recolhidos de empresas que provocam acidente laboral”.

Dessa forma, a vida do segurado empregado vinculado ao INSS é relegada a segundo plano. “Mas os fiscais do trabalho realizam 400 mil processos de vínculos de emprego por ano e geram R$ 4 bi de arrecadação previdenciária. Assim, nos últimos cinco anos, R$ 135 bi poderiam ter sido arrecadados caso o governo estivesse atento à fiscalização”, alertou.

“A PEC 287 não será boa para o povo, para o trabalhador e trabalhadora do Brasil. A fiscalização não é feita a contento e juntamente com a limitação dos gastos públicos certamente continuará não sendo realizada a contento e como deve ser feito”.
 
 
Aposentadoria especial
 
A União dos Policiais do Brasil (UPB), entidade que representa 28 entidades e quatro no Distrito Federal e congrega o quadro completo dos agentes de segurança estatal foram enfáticos em afirmar que a aposentadoria especial dos policiais, tendo em vista o risco a que estão submetidos diariamente, deve ser mantida.

“O que justifica a retirada dessa garantia constitucional se a segurança pública não melhorou no país. Na atividade policial, o risco é estendido para o seio familiar porque saímos de casa e muitos policiais não voltam. São 500 policiais assassinados por ano na atividade laboral da segurança pública. Vão prejudicar as viúvas em razão da limitação das pensões”.

O represente da UPB sinalizou que apenas na Polícia Federal cerca de 1.300 policiais estão em condições de se aposentar e muitos deles já deram entrada no pedido. “Dificilmente a PF terá condições de repor esse quadro funcional já que temos limitações com a Emenda Constitucional do teto de gastos”.
 
 
Falta transparência na reforma
 
O representante do Instituto de Estudos Previdenciários (Ieprev) fez questão de destacar a falta de cálculos atuariais e o descumprimento da Constituição de que para haver reforma deve ser ouvido, entre outros, o Conselho Nacional de Previdência Social.

“Impetramos um mandado de segurança no STF que está sob a relatoria do ministro Celso de Mello. Pedimos que sejam ouvidas as entidades e o governo preste informações acerca da reforma. A liminar deve ser concedida nos próximos dias”.

“A reforma é muito dura a ponto de a idade mínima, por exemplo, iniciar aos 65 anos e um gatilho para seu aumento será disparado conforme haja aumento da expectativa de sobrevida da população. A regra de transição deveria estabelecer um pedágio para todos os atuais trabalhadores, mas não faz e a forma de cálculo da aposentadoria também deve ser constitucionalizada para que haja efetivamente a garantia do descarte dos 20% das menores contribuições”.

“No mais, devem ser mantidas a redação do artigo 20, parágrafo 1º da Constituição, que garante a aposentadoria especial que prejudique a saúde ou a integridade física e quando se tratar de portadores de deficiência”.
 
 
Constatações óbvias da atividade policial
 
O representante da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) disse inicialmente “ser desnecessário se alongar sobre a atividade de risco dos policiais no país em razão da extrema violência. O policial é visto pelo crime como alguém a ser eliminado e temos expectativa de sobrevida de 56 a 59 anos. Assim, a PEC elimina a possibilidade de aposentadoria para os policiais”.
 
 
“PEC uniformiza aposentadorias”
 
O assessor especial da Casa Civil da Presidência da República, Felipe Nêmolo Portela, destacou o objetivo da reforma da Previdência. Qual seja, “a uniformização das aposentadorias”.

“A PEC procurou deixar claro no texto constitucional que atividades exclusivamente perigosas e de risco não geram direito ao benefício especial. Não se pode utilizar da Previdência em razão das especificações de cada atividade laboral. A Lei 9.717/98 estabelece que até a edição de lei complementar não se pode ser concedida aposentadoria especial. Mas o STF, por meio da Súmula 33, determinou a aplicação da Lei 8.213 (RGPS) para os servidores até a edição da referida lei complementar”.

A ausência de lei complementar tem provocado a judicialização dos pedidos de aposentadoria em razão da periculosidade e do risco da atividade laboral. Especificamente em relação aos policiais existe a Lei Complementar 144/14 que garante aposentadoria após 30 anos de contribuição do homem policial com 20 anos de exercício na atividade policial. As mulheres policiais podem se aposentar com 25 anos de contribuição e 15 anos de atividade policial.
 
 
Sensível à demanda dos policiais
 
O relator da reforma da Previdência na comissão especial, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), disse ser “sensível à questão dos policiais, mas vai depender de dados do planejamento do custo do atendimento da demanda e de aprofundamento do debate”.

“Não me convence o fato de que policial em atividade administrativa corre o mesmo risco de quem está na rua. Mas sei que os policias têm questões muito peculiares e devemos chegar a um termo conciliador para a polícia, para o governo e para a sociedade”, disse o relator.

Fonte: Diap, em 08/03/2017
Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Nosso aplicativo

Nosso aplicativo
Use um leitor de QR Code para instalar no seu celular

Siga o Portal nas redes sociais

Cursos de capacitação online