Servidores organizam resistência contra PEC 241/16 que tem votação em 2º turno na Câmara prevista para dia 24


Compartilhe esta publicação:

Na próxima semana o Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Federais (Fonasef) vai se reunir para organizar detalhes de um grande dia de resistência em defesa dos serviços públicos e contra a PEC 241/16 que propõe congelar investimentos no setor pelos próximos 20 anos. A atividade deve acontecer no dia 24 quando está prevista votação em 2º turno na Câmara dos Deputados da proposta considerada uma irresponsabilidade e um dos maiores retrocessos e ameaças ao já frágil Estado social brasileiro.

Ontem a PEC 241 alcançou 366 votos de deputados favoráveis ao desmonte do Estado e ao congelamento de investimentos em serviços essenciais por pelo menos 20 anos. A reação da classe trabalhadora deve ser proporcional aos ataques que estão impondo a direitos adquiridos com muita luta. Esta PEC também ameaça diretamente a política de valorização do salário mínimo. Além de participar da reunião do Fonasef para debater o dia de lutas contra a PEC da Maldade, a Condsef também orienta suas filiadas a organizar debates em torno de uma greve geral que deve acontecer no dia 11 de novembro.

Em nota, a CUT lembra que as medidas já anunciadas pelo governo golpista e as iniciativas recentemente aprovadas ou em curso no Congresso Nacional apontam numa única direção: retirar direitos da classe trabalhadora, arrochar salários, privatizar empresas e serviços públicos, entregar nossas riquezas à exploração das multinacionais, diminuir drasticamente os investimentos em serviços públicos essenciais, como educação e saúde, e fazer a reforma da previdência.


Acrescenta que essas iniciativas de caráter neoliberal jogam nos ombros da classe trabalhadora, sobre quem já pesa o ônus do desemprego em massa, os custos de uma política regressiva e autoritária de ajuste fiscal que é o verdadeiro objetivo do golpe.

Só uma forte mobilização de toda a classe trabalhadora é capaz de barrar esses ataques. Não à PEC 241 e ao PL 257. Não à Reforma da Previdência. Não à MP do Ensino Médio. Não à terceirização, à prevalência do negociado sobre o legislado e à flexibilização do contrato de trabalho. Contra o retrocesso o caminho que a história de resistência da classe trabalhadora aponta como único possível é o da luta. E nesse caminho seguiremos incansáveis. Nenhum direito a menos. Nenhum passo atrás.
Fonte: Condsef, em 11/10/2016

Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.