Defensores públicos entregam cargos de chefia e mantêm mobilização


Compartilhe esta publicação:

A pressão dos servidores sobre o governo não dá trégua. Os defensores públicos federais entregaram os cargos de chefia e vão manter a mobilização que restringe a prestação de serviços à população. Enquanto durar o movimento, só serão atendidas demandas urgentes, como as que envolvam restrição à liberdade de locomoção, perecimento de direito e risco de vida e da saúde.

A entrega dos cargos também suspende a participação dos defensores em mutirões de conciliação e em todos os projetos e audiências itinerantes realizadas pela Justiça Federal a partir desta segunda-feira, 18.

Segundo a Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef), os servidores não vão descansar enquanto não houver a aprovação, pelo Senado, do PLC 32/2016, que trata do subsídio do Defensor Público-Geral Federal. A decisão foi tomada em assembleia na sexta-feira (15). A ordem é intensificar a mobilização após o período de recesso legislativo.

A Anadef informa que a aprovação do PLC 32/2016 é necessária para recompor parte das perdas inflacionárias dos últimos anos e explica e que a mobilização e a entrega dos cargos são resultados da ausência de estruturação adequada das unidades da Defensoria Pública da União (DPU) e do tratamento discriminatório dispensado pelo governo em comparação às demais carreiras que compõem o sistema de Justiça.

Fonte: Correio Braziliense, em 18/07/2016

Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.