Meirelles diz que reajuste de servidores aprovado está garantido


Compartilhe esta publicação:

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (7) que está garantido o aumento salarial para diversas categorias do funcionalismo aprovado na Câmara, na semana passada, cujo impacto é estimado em R$ 52,9 bilhões em três anos (2016, 2017 e 2018).

“O que foi aprovado em termos finais sim, na Câmara”, afirmou Meirelles a jornalistas após se reunir com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, em Brasília.

Meirelles disse, porém, que o presidente em exercício, Michel Temer, ainda discute o aumento proposto para os ministros da Corte, que elevaria os salários dos atuais R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

“Esse assunto está sendo tratado pelo presidente Temer e vamos no devido tempo termos maiores detalhes sobre isso”, disse, na saída do STF.


Visita de cortesia

O ministro disse ter ido ao STF para uma visita de cortesia a Lewandowski e apresentação de sua equipe na Fazenda. Ele negou que tivesse tratado do aumento salarial com o ministro.

“Basicamente conversávamos um pouco sobre a situação fiscal do país. Estava explicando a ele essa nova meta para o déficit de 2016 de R$ 170,5 bilhões, conversando um pouco sobre a proposta de limitação, colocação de teto no aumento das despesas públicas para os próximos anos, limitado à inflação de cada ano”, narrou.

Meirelles se refere ao pacote de medidas econômicas anunciado por Temer e que prevê, entre outras mediddas, a criação de um teto para o aumento de gastos públicos.

Ele disse que a limitação de despesas públicas é importante para aumentar a confiança no país e na economia, de modo a voltar a crescer e gerar empregos.

“Aumenta a arrecadação e todo o processo entra num círculo virtuoso”.


Dívida dos estados

Questionado sobre a negociação sobre a dívida dos estados com a União, informou que vai se reunir na próxima quinta com sua equipe e depois com os governadores, antes da apresentação de uma proposta final do governo.

“Não só equacionando a questão atual, mas também visando evitar que existam problemas futuros iguais a este. Eliminar a recorrência desse tipo de situação”, explicou.

O objetivo, disse, é olhar “não só o interesse dos estados, mas também o interesse do país”.

Meirelles também disse que uma nova crise política – em razão dos pedidos de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente José Sarney, do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – não afetaria a economia se as medidas propostas pela equipe econômica forem aprovadas.

“Nós vamos prosseguir o nosso trabalho normalmente. E acredito que, se as medidas forem aprovadas no devido tempo, e acreditamos que será pelo Congresso, certamente o Brasil vai voltar a crescer dentro do potencial que ele merece e que tem para crescer e voltar a criar emprego. A crise econômica foi gerada pela questão fiscal e será resolvida pela questão fiscal”, finalizou.

Fonte: Portal G1, em 07/06/2016

Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.