>>
Notícias Artigos Apostilas para concursos Cursos de capacitação Advogado online Forum Contato

20 maio 2016

As carreiras que fecharam acordo no dia da votação do impeachment no Senado têm pressa em saber qual será o posicionamento do novo ministro do Planejamento, Romero Jucá, sobre as propostas. Para valerem, os acordos precisam da aprovação do atual governo, pois, como os reajustes foram acertados para o ano que vem, precisam ser encaminhados ao Congresso Nacional, até agosto, prazo final para envio da Lei Orçamentária de 2017.

Assinaram termo com a Secretaria de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (SEGRT): analistas técnicos de políticas sociais, analistas de infraestrutura, peritos agrários do Incra, delegados, peritos, escrivães, papiloscopistas e agentes da Polícia Federal e servidores do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) e da Polícia Rodoviária Federal.

Porém, desde a posse da equipe do governo interino, a sinalização é de que as negociações de última hora serão analisadas.

Os representantes sindicais esperam ter oportunidade de discutir as propostas com o novo ministro da pasta. No caso da Polícia Federal, o acordo firmado prevê reajuste de 10,8%, em janeiro de 2017, com bônus de R$ 3 mil para delegados e peritos e de R$ 1,8 mil para agentes, escrivães e papiloscopistas, além de aumento de 4,75% e 4,5%, em 2018 e 2019, respectivamente. O presidente da Federação Nacional do Policiais Federais (Fenapef), Luís Boudens, tem expectativa de ser recebido ainda esta semana para tratar da negociação. “Queremos que o governo faça a adequação de tornar os reajustes igualitários para todas as carreiras da PF. Não tivemos tempo para conversar no momento que assinamos”, afirmou .


Impacto

Os servidores do Dnit, analistas e especialistas em infraestrutura e peritos do Incra concordaram com aumento de 27,9% em três anos: 12,8% em janeiro de 2017, 6,6% em 2018 e 6,3% em 2019. O secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, argumenta que os reajustes terão pouco impacto no orçamento e por isso não vê motivos para não serem mantidos. “Nossos acordos são com o Estado. Independentemente de quem esteja no comando, vamos continuar negociando”, explicou.

O presidente da Associação Nacional dos Analistas e Especialistas em Infraestrutura (AneInfra), Rodolpho Salomão, considerou um alívio assinar o acordo, já que os debates haviam sido suspensas no dia anterior, mas ainda espera discutir a reestruturação da categoria com o novo governo. “Apresentamos proposta que prevê que os ajustes salariais aconteçam progressivamente de acordo com o plano de carreira. É lamentável que a categoria tenha se dedicado por um ano de negociação para acabar em um acordo às pressas”, apontou.
Fonte: Sinal, em 19/05/2016
Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.

Acompanhe também o Portal do Servidor Federal pelo Facebook e pelo Twitter.

Siga o Portal nas redes sociais

Cursos de capacitação online