Servidores ganham para testar game e ver filmes antes de estreia


Compartilhe esta publicação:

Para um grupo de 24 servidores do Ministério da Justiça, em vez de operação Lava Jato ou Polícia Federal, o que importa é filme, novela e videogame. A fim de atribuir a chamada classificação indicativa (que determina qual faixa etária deve ter acesso a um determinado conteúdo), os funcionários têm de testar os produtos antes que cheguem às prateleiras do país. São eles os responsáveis por garantir que um produto chegue ao público certo .

No quinto andar de um dos anexos do ministério, em Brasília , Rafael Vilela é responsável por chefiar um setor que monitora o conteúdo de games - incluindo aplicativos de celular e jogos de RPG. Pela sala dele, em meio a Pikachus e Yoshis, circulam cerca de mil jogos por mês.

Todos os artigos físicos, que serão vendidos em lojas, têm de passar pelo crivo do analista de 27 anos. Parte dos videogames virtuais, classificados previamente pelo desenvolvedor, também é "vistoriada".

"Adoro videogame, mas jogar é o mínimo que faço aqui. A parte administrativa é a que mais demanda. Mas como é algo de que gosto, vale a pena", afirmou o chefe, que conta com salário de R$ 7 mil por mês. "Algumas pessoas me pedem dicas de games, porém evito falar porque senão pode até atrapalhar o mercado", brincou Vilela, falando ao lado de um PlayStation de última geração.

Estudante de design na Universidade de Brasília, Vitor Ferreira é um dos 15 estagiários que trabalham no local. Ele foi aprovado dentre mais de 170 currículos que chegam ao ministério, vindos até do Amapá e de Santa Catarina. "Eu sempre quis desenvolver jogos e para mim esta é uma oportunidade sensacional", disse o jovem de 22 anos, que recebe bolsa de R$ 650 e garante nunca soltar spoiler.

Para conseguir a vaga de estágio, o candidato tem de passar por pelo menos seis provas de redação - duas delas em inglês. "Boa parte do trabalho aqui vai ser escrever relatório, inclusive em outras línguas, explicando por que aquele jogo não é aconselhado a menores de 16 anos, por exemplo", continuou Rafael Vilela.


Filme, novelas e programas de TV

Em 2015, o governo federal comemora 25 anos do sistema de classificação indicativa. Além de jogos, o setor do Ministério da Justiça também certifica se o conteúdo de filmes, novelas e programas de TV é próprio para crianças e adolescentes. Segundo o órgão, para qualquer tipo de produto é usado o mesmo padrão, que procura identificar pontos de sexo, nudez, violência ou uso de drogas no material.

Para o diretor do Departamento de Classificação, Davi Pires, não se trata de censura por existirem até três níveis de recurso caso alguém não concorde com a decisão do ministério. "Usamos normas precisas. Todos os critérios que adotamos foram extensamente discutidos com as empresas e a sociedade", afirmou Pires, também roteirista de cinema nas horas livres.

O diretor do ministério estima que somente 10% do que passa pelos profissionais combina com o gosto pessoal da equipe. No entanto, ele revela que não são raras as vezes em que um servidor tenta mudar de turno porque quer assistir a um lançamento antes de o filme chegar às telas do cinema. Nesses dias, um dos nove lugares na sala de projeção digital - que exibe até em 3D e foi construída dentro do ministério - é motivo de disputa.

"Para evitar vazamento, às vezes a distribuidora do filme manda até um segurança que fica durante a sessão. Com certeza deve vir um para o próximo Star Wars ", contou Pires. "Até acontece de ver o mesmo filme depois com a família. Mas não tem problema: não perco meu encanto pelo cinema.

http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2015/11/no-df-servidores-ganham-para-testar-game-e-ver-filmes-antes-de-estreia.html

Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.