Reuniões setoriais do Executivo Federal não progridem


Compartilhe esta publicação:

Mesmo com as reuniões setoriais acontecendo diariamente no Ministério do Planejamento, está difícil avançar nas pautas específicas de algumas carreiras do funcionalismo federal. As entidades sindicais se queixam que o governo tem atrelado avanços individuais a aceitação do reajuste de 21,3% em quatro anos.

Após ameaçar entrar em greve nacional, os auditores fiscais da Receita Federal serão recebidos hoje pelo Planejamento. A reunião será no mesmo dia em que os servidores promovem assembleia nacional para decidir se cruzam os braços. Além de reajuste salarial, o grupo também vai apresentar outros pleitos: “Não interessa só a questão de salário. Queremos também o atendimento de outros pontos importantes da pauta da campanha salarial”, destacou Cláudio Damasceno, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal.

Outro entrave envolve a inclusão dos servidores civis ligados ao Ministério da Defesa regidos pelo Plano Geral de Cargos do Poder Executivo (PGPE) na carreira de Tecnologia Militar (PCCTM). É um pedido antigo da Confederação dos Servidores (Condsef) e dos sindicatos das categorias. Outra negativa envolveu o Plano Especial de Cargos do Ministério da Fazenda (Pecfaz). Não há prazo para aglutinação de cargos pelo Executivo.


Saúde federal

Representantes da Saúde também serão recebidos hoje pelo Ministério do Planejamento. A categoria ampliou ontem a greve para pressionar o governo. A adesão foi dos funcionários do Laboratório do Hospital dos Servidores do Estado. Estão mantidos os atendimentos de urgência e programa de fornecimento de medicamentos de uso contínuo.


Após ocupação

De acordo com o Sindsprev-RJ, a negociação só foi marcada pelo governo federal, após os servidores em greve ocuparem o Ministério da Saúde, em Brasília, e o Núcleo da pasta no Rio de Janeiro (Nerj), na tarde de quarta-feira. Os dirigentes reclamam que a proposta do governo se mantém distante da meta do funcionalismo e que não há avanços.


Improbidade

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou ontem que insistiu com o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) que deve ser julgada a ação por improbidade administrativa contra dois dirigentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e a Fundação Ary Frauzino. Há meses que a instituição passa por problemas graves.


Uma afronta

Segundo o Ministério Público Federal, o procurador regional da República Luiz Fernando Lessa, do Núcleo de Combate à Corrupção da PRR2, reafirmou “que a contratação, sem concurso, de 63 profissionais para prestarem serviços típicos do Inca afronta tanto a legislação como uma decisão judicial de 2012.”


Reunião com Renan

Os coordenadores da Fenajufe se reuniram ontem com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e cobraram dele a inclusão do veto ao PLC 28/2015 na pauta da próxima sessão ordinária do Congresso. A derrubada deve ser analisada na próxima terça-feira. Os servidores do Judiciário Federal recusaram o reajuste de 41,7%.


Pedido de informação

Segundo a Fenajufe, Calheiros pediu informações sobre o teor da proposta que o Supremo Tribunal Federal teria fechado com o governo, em que se acordou a expansão da folha de pagamento do Judiciário em até 23,2%. O reajuste será implementado a partir de janeiro de 2016, em oito parcelas semestrais até 2019.

http://blogs.odia.ig.com.br/coluna-do-servidor/2015/08/13/reunioes-setoriais-do-executivo-federal-nao-progridem/

Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.