Sindicatos convocam paralisações dia 15 contra ‘terceirização geral’


Compartilhe esta publicação:

Sindicatos e centrais sindicais estão convocando um dia nacional de paralisações e protestos pela derrubada do PL 4033/2004, que abre caminho para terceirização de qualquer posto de trabalho, mesmo aqueles ligados à atividade-fim das empresas privadas ou públicas. Hoje, as atividades centrais de uma empresa não podem ser terceirizadas segundo entendimento do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A mudança é apontada por sindicalistas e pesquisadores do tema como um duro ataque aos direitos trabalhistas e rebaixamento histórico para os trabalhadores das condições das relações de trabalho no Brasil.

Isso porque as estatísticas mostram que trabalhadores terceirizados recebem em geral um terço a menos para realizar os mesmos serviços de um trabalhador contratado diretamente pela empresa na qual presta o serviço e são submetidos a condições de trabalho piores. O projeto teve seu texto-base aprovado na noite de quarta-feira pelos deputados. O presidente da Câmara. Eduardo Cunha (PMDB-RJ), da base aliada do governo, determinou que a polícia impedisse o acesso de manifestantes ao Congresso e pôs a proposta em votação apensar de uma medida provisória trancar a pauta do plenário. O aceso de líderes empresariais, principais interessados no projeto, foi permitido.

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirma que se opõe ao projeto e orientou, sem sucesso, a bancada governista a votar contra a proposta. No entanto, ao contrário de outras matérias disputadas, não fez nenhuma grande articulação política para tentar deter a votação. Enviou ao Congresso o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não para tentar impedir a aprovação, mas para negociar alterações no projeto que assegurassem a arrecadação de tributos – num reconhecimento oficial de que as empresas da terceirização costumam dar calotes em impostos e direitos trabalhistas com muito mais frequência que as demais.

A tendência é de que até a quarta-feira (15) sindicatos realizem assembleias e mobilizem suas bases para decidir sobre a paralisação. Em São Paulo, os servidores do Judiciário Federal já aprovaram parar por 24 horas em defesa dos direitos trabalhistas e contra o PL 4033. A mobilização está sendo convocada por várias centrais sindicais – CSP-Conlutas, CUT, CTB, entre outras. A Força Sindical, do deputado Paulinho (SD-SP), apoia o projeto.

O Fórum Nacional dos Servidores Federais, que organiza a campanha salarial unificada da categoria, também aprovou participar do protesto que visa derrubar o projeto da terceirização e evitar mais perdas para os trabalhadores. A meta é promover paralisações ou pelo menos atos públicos onde isso não for possível.

http://www.lutafenajufe.org.br/mz/principal-direito.php?mostrar=noticiacompleta&id=f5584e4fd7

Esta publicação tem caráter meramente informativo. Todos os artigos e notícias são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados acima no link, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Tire suas dúvidas jurídicas com um advogado online.

Discuta este e outros assuntos de seu interesse no Fórum do Servidor Federal. Clique aqui para participar!

Clique aqui, baixe gratuitamente o aplicativo do Portal do Servidor Federal, e receba um resumo de todas as notícias no seu smartphone.